8 de março de 2019

{Resenha} Inferior é o Car*lho

Hoje a resenha é sobre o livro "Inferior é o Car*alho" de Angela Saini.

Eu confesso que assim que esse livro saiu, fiquei extremamente empolgada, não só por se tratar de um tema bem atual e ainda assim, muitos não sabem o que falam e, também por se tratar de um livro da DarkSide. Aí sabemos, que o livro vem com aquela qualidade que a gente já espera.

A Angela separa o livro em oito grandes temas. e vai discorrendo sobre eles ao longo dos capítulos.

Falar sobre ciência, religião, sexualidade e direitos iguais era algo que não estava a nosso alcance e que Graças as forças da natureza, depois de muitas mulheres maravilhosas terem pagado até mesmo com a vida, estamos aqui dialogando sobre esses temas.

Esse livro nos abre um pouco a mente sobre como a mulher sempre foi tratada ao longo dos séculos e como ela ainda não é tão bem vinda assim em alguns cenários, entretanto estamos falando aqui sobre nós mesmas para tentarmos quebrar isso. Não é mesmo, coleguinha?
"Certamente acredito que as mulheres, conquanto, em geral, superiores aos homens [em] qualidades morais, são inferiores em termos intelectuais" 
Ciência não era algo em que a mulher poderia se enfiar, pois, primeiro, alguns cientistas achavam que nós éramos inferiores. Sim, isso mesmo, INFERIORES! E, para se ter certeza disso, muitos teriam que estudar as diferenças entre os dois sexos, porém o investimento para isso tornava a pesquisa caríssima, além de termos hormônios caóticos, e muitos optavam por estudar somente um cérebro e esse sempre calhava de ser o masculino que é 142 g mais pesado que o feminino.
"...Não eram sequer reconhecidas como cidadãs plenas. Foi apenas em 1882 que as mulheres casadas do Reino Unido tiveram reconhecido o direito de ter propriedades e de controlá-las. E, em 1887, apenas dois terços dos estados norte-americanos autorizavam que uma mulher casada ficasse com a própria remuneração."
Angela discorre sobre temas polêmicos no livro e quando o leitor começa lê, começa a vislumbrar tudo o que a mulher sofreu, desde que o mundo é mundo até hoje.

Uma das partes que mais me chocaram foi como a mulher ainda é vista em países do Oriente Médio e como essa cultura de abuso, violência e estupro ainda está longe de acabar, inclusive em se tratando de mutilação. Fiquei bem reflexiva e mal por tantas garotas ainda terem seu destino selado na infância. Isso mostra o quanto ainda somos irracionais e egoístas.

O livro é um artigo cientifíco, com todas as fontes para consulta. Entender o femininismo não é fácil, muitos podem dizer que é capricho nosso ou que somos fadadas ao coitadismo, mas são séculos tentando provar que sim, não somos só sentimento, não somos inferiores porque temos o cérebro menor em peso, não somos só um corpinho bonito. Somos parte de uma sociedade tentando provar a todo o tempo o nosso valor e através de livros como o da Angela, conseguimos entender que muitas mulheres deram a vida, literalmente, para isso!

Não é modinha! Não é querer ser igual ao homem ou competir. É entender que fazemos parte do processo de evolução da humanidade, que somos seres iguais aos homens no aspecto inteligência, temos nossas diferenças físicas, mas isso não impede de trabalharmos nas mesmas funções, dividir a conta, ter um cargo de chefia, ser Presidente da República ou ser do lar.
"São os fatos que nos darão o poder de transformar a sociedade para melhor, uma sociedade que trata a todos nós como iguais. Não só porque isso nos faz civilizados, mas porque, como já apontam as provas, isso nos faz humanos"
O livro é genial! Fiquei tão extasiada ao lê-lo que é difícil colocar em palavras tudo. Só peço que leiam e vamos debater sobre. O feminismo precisa disso! Eu e você também precisamos!

Venham ler!


Título: Inferior é o Car*lho
Autor: Angela Saini
Editora: DarkSide Books
Páginas: 320
Sinopse: Existem alguns “fatos” sobre as diferenças entre os sexos que nós crescemos sabendo. Homens são fortes, durões, mais inclinados à promiscuidade e melhores ao estacionar carros. Mulheres são mais sensíveis, menos intelectuais, não tão favoráveis ao sexo casual e são melhores cuidando da família. Certo? 
Errado.
Defendidas há séculos por evidências superficiais — e enraizadas em nossa sociedade sexista —, essas visões parecem naturais, imutáveis e até mesmo legítimas, chegando, inclusive, a se perpetuarem em nosso vocabulário. Porém, ao serem examinadas de perto, não se sustentam. Em Inferior é o Car*lhø, lançamento da linha Crânio da DarkSide® Books, a jornalista britânica Angela Saini convida você a esquecer tudo o que sabe sobre as diferenças entre os sexos e embarcar em uma jornada esclarecedora sobre as mentiras e meias-verdades que a ciência propagou ao longo dos últimos séculos. 
As primeiras páginas já surpreendem ao resgatar uma troca de cartas ocorrida na era vitoriana entre Caroline Kennard, destaque no movimento feminista em uma cidadezinha de Massachusetts, nos Estados Unidos, e o naturalista inglês Charles Darwin. “Certamente acredito que as mulheres, conquanto, em geral, superiores aos homens [em] qualidades morais, são inferiores em termos intelectuais, e parece-me ser muito difícil, a partir das leis da hereditariedade (se eu as compreendo de forma correta), que elas se tornem intelectualmente iguais ao homem”, escreveu o autor de A Origem das Espécies em uma negação de tudo pelo que o movimento de mulheres lutava à época — e segue lutando até hoje. A srta. Kennard não hesitou ao enviar uma resposta inflamada que dizia: “Deixe que o ‘ambiente’ das mulheres seja semelhante ao dos homens, e com as mesmas oportunidades, antes de julgá-las, com justiça, intelectualmente inferiores a eles, por favor”.
São pensamentos como o de Darwin que Angela Saini questiona em Inferior é o Car*lhø. Jogando luz sobre pesquisas controversas focadas nas diferenças entre os sexos — e não nas similaridades —, resultados de estudos tendenciosos que não incluíram a outra metade da população e até mesmo o machismo impregnado em laboratórios e universidades, ela investiga o mito de que homens e mulheres são fundamentalmente diferentes em sua biologia, mostrando como traçar essa linha nos afeta não apenas individualmente, mas também como sociedade.
Com diligência e uma linguagem objetiva, a jornalista apresenta em cada capítulo um recorte na história da ciência que difundiu o mito de que mulheres são inferiores, viajando o planeta para entrevistar cientistas, pesquisadores e especialistas e obter sempre os dois lados da história. A edição brasileira homenageia o trabalho da artista gráfica e ativista Barbara Kruger, e conta também com a introdução da professora de teoria literária e pesquisadora Heloisa Buarque de Hollanda, que publica em breve um livro sobre a quarta onda do movimento feminista.
Leitura indicada pelo jornal The Independent e pelo TED Talks, livro do ano do Physics World e destaque na categoria de ciência e tecnologia do Goodreads Choice Awards de 2017, Inferior é o Car*lhø integra a linha Crânio, que publica material minuciosamente selecionado para nos ajudar a questionar o estranho e admirável mundo em que vivemos. Uma obra poderosa que revela uma perspectiva alternativa para a ciência em que mulheres não são excluídas, mas fazem parte desta história — e, sobretudo, ajudam a escrevê-la. Um livro para mulheres e homens que buscam igualdade em nossa sociedade, pois, ou vamos juntos, ou não vamos a lugar nenhum.











Nenhum comentário:

Postar um comentário

/

© Copyright 2017 - Embarcando na Leitura. Todos os direitos reservados