6 de abril de 2020

{Resenha} Vida de Gato

Hoje a resenha é sobre a HQ "Vida de Gato" de Serge Baeken.
Foto retirada de Arquivo Pessoal
Essa Graphic Novel autoral super fofa vai contar, de uma forma divertida e emocionante a nossa relação com os felinos.

Nessa HQ conhecemos alguns gatinhos da autora e o último, Mascavo, um gato rabugento e que não gostava muito de humanos e de outros bichos, mas foi ficando e se tornou um membro da família.
Foto retirada de Arquivo Pessoal
E para quem convive com esses felinos, sabe que o amor está presente nas pequenas coisas, desde uma passadinha de corpo na sua perna, até um ronronar para mostrar o quanto se está feliz pela sua presença.

Eu amei o quadrinho e fiquei bem saudosa de uma gatinha que tive e que conviveu comigo por dezesseis anos, ela foi muito amada e feliz com a gente.

Então, se você não sabe ainda o que é o amor de um bicho, vem ler essa HQ que eu tenho certeza que você vai pensar duas vezes em ter um bichinho para chamar de seu.
Foto retirada de Arquivo Pessoal
Além disso, essa edição da Caveirinha está de cair o queixo e os desenhos simplesmente sensacionais.
Então, vem embarcar nessa história de ronronadas e muita traquinagem.

*Livro cedido em parceria com a Editora.

Título: Vida de Gato
Autor: Serge Baeken
Editora: DarkSide Books
Páginas: 88
Sinopse: O quadrinista e ilustrador Serge Baeken sempre adorou gatos. E dá para culpá-lo? Inteligentes, ágeis, companheiros — ele já dividiu muitos momentos ao lado de seus bichanos, e tudo começou com Mascavo, que viveu respeitáveis 18 anos ao lado de seu dono. Sempre aprontando muito, é claro.Em Vida de Gato, mais novo lançamento da DarkSide® Books, Baeken convida o leitor a conhecer o mundo visto a partir da perspectiva dos felinos. Mais especificamente, dos felinos que passaram por sua vida — e deixaram uma marca eterna em seu coração.
Há muitas histórias para conhecer neste quadrinho. Amizades que vêm e vão, mudanças para lugares distantes, a beleza da independência dos bichanos, o aconchego de um cotidiano cheio de travessuras, ronronadas e miados.
Ao conhecer as vidas de Mascavo — como, no começo, ele tinha apenas amigos humanos; como costumava ser o gato mais durão da vizinhança; como, ao ficar velhinho, ele se guiava com os bigodes pela casa — e seus companheiros (e foram muitos), também descortinamos a vida de seu dono.
O resultado é um quadrinho autobiográfico que vai ganhar o seu coração, mesmo que você não tenha um gatinho para chamar de seu. Baeken encanta com sua arte em preto e branco, rica em detalhes, e seu tom divertido e emocionante de contar histórias.
O selo DarkSide® Graphic Novel ganha mais um quadrinho feito com esmero, no padrão de qualidade que os darksiders já conhecem e adoram — uma edição tão caprichada que, a Caveira jura, até vai fazer seu bichano desviar os olhos daquela caixa de papelão.

1 de abril de 2020

{Resenha} Resgate de outras vidas

Hoje a resenha é sobre o livro "Resgate de outras vidas" de Stephane Loureiro.

Foto retirada de Arquivo Pessoal

Eu recebi esse livro em parceria com a Editora Vida e Consciência e demorei um tempo para conseguir terminá-lo. O início é bom, mas um pouco afoito, o que te faz ficar meio chocada com os acontecimentos. 

Virgílio era um rapaz humilde, morava na zona norte de São Paulo e seu sonho era ser médico. Já Luana era uma moça linda e rica da alta sociedade paulistana. Seu pai, Sr. Orestes, era um homem enérgico e muito dedicado ao seu império. Luana era orgulhosa e sabia que poderia conseguir quem quisesse, mas se encantou por Virgílio e isso foi a ruína para eles. 

O livro narra a história desses dois jovens e de suas vidas cruzadas em outras épocas. E de uma maneira fluida e simples, Stephane nos faz viajar pela idade média, para entender como Freis e Padres podem ter um papel crucial na formação do individuo e suas dívidas perante a sociedade. 

Eu achei a narrativa bem fluida, apesar de no início ficar um pouco anestesiada com os acontecimentos. Luana é uma moça mimada, que sabe que consegue o que quer e isso acaba irritando um pouco, pois Virgílio chega a cogitar a possibilidade de desistência de seu sonho para trilhar a vida com Luana. 

Orestes é um homem ganancioso e perverso, que não mede esforços para conseguir o que quer. Ele tem um poder muito grande sobre a filha e pela ganância e preservação do nome da família coloca em xeque a vida da menina. 

Eu não conhecia a escrita da autora, mas gostei da forma como o livro se desenvolveu e finalizou. 

Foto retirada de Arquivo Pessoal
Através da leitura, podemos nos conectar com os nossos medos e anseios, identificar padrões de pensamentos que nos fazem querer desistir e até mesmo desanimar. Achei bem propício terminar essa leitura nesse atual momento, no qual todos estão passando por um isolamento social e repensando sobre o que fazer na vida e até mesmo os caminhos que deverão tomar após essa Pandemia. 

E pensando nisso tudo, eu achei super importante a leitura. Apesar de ter um viés espírita, a leitura trata de pessoas que estão lidando com forças (do bem e do mal) para conseguir se manter nesse planeta de provas e espiações, por isso peço que leiam de mente aberta. 

Então, se você quer uma leitura que vai mexer com os seus sentidos, vem comigo e embarque nesse romance que fará você repensar muitas coisas, ainda dá tempo. 

*Livro cedido em parceria com a Editora

Título: Resgate de outras vidas
AutorStephane Loureiro
Editora: Vida e Consciência
Páginas: 224
Sinopse: Atrás dos muros do imponente Convento de San Bernadino, torpezas, paixões e crimes hediondos cometidos por clérigos e freiras em plena Idade Média restaram ocultos aos olhos do mundo, todavia, a lei do retorno impõe-se, e os personagens reencontram-se no Brasil do início do século XX, vinculados uns aos outros pelas malhas do carma a fim de resgatarem os equívocos do pretérito.A obra, narrada em ritmo vertiginoso e contextualizada historicamente, conduz o leitor ao despertar para a valorização da vida e para as graves implicações espirituais da prática do aborto, fazendo um verdadeiro contraponto a ideias hodiernamente tão em voga, que contrariam os princípios sublimes do amor e da caridade, pregados incessantemente por Jesus Cristo.
Amparados por diletos e obstinados mentores espirituais, os personagens centrais buscam superar dolorosos dramas do passado por meio do sagrado esforço da reforma íntima, atravessando, juntos e mais uma vez, a sinuosa jornada da existência humana rumo à evolução espiritual.



29 de março de 2020

{Resenha} O noivo da minha melhor amiga

Hoje a resenha é sobre o livro "O noivo da minha melhor amiga" de Emily Giffin.

Foto retirada de Arquivo Pessoal
Quando eu vi que esse livro estava disponível no Skoob, não pensei duas vezes para solicitar a troca. Vindo com a adaptação de mesmo nome, esse livro traz a história de Rachel White.

A nossa protagonista acaba de fazer trinta anos e sua melhor amiga Darcy organiza uma festa "surpresa" para ela. Só que ela não imaginaria que essa noite seria um divisor de águas na sua vida.

Rachel acaba acordando na cama com o noivo de sua melhor amiga, Dexter Thaler. E tudo virou de cabeça para baixo. Ela se viu em uma situação difícil de controlar. E conforme a leitura avança, começamos a perceber o quanto a relação de Rachel e Darcy é um pouco truncada e baseada em competições e desarmonias. 

Emily traz de uma maneira sincera e um pouco cruel a relação das duas amigas e como Rachel se sente inferiorizada em relação a Darcy. A amiga é sempre a mais bonita, a moça que namora os caras mais gatos da escola, a que passa na melhor universidade, e isso acaba cansando um pouco, porque só mostra como Rachel tem uma baixa autoestima e o quanto ela se coloca no papel de coitadinha. Isso  me irritou um pouco. 

Darcy já é aquela pessoa extremamente egoísta e competitiva. Ela quer ser a melhor em tudo e ter as melhores coisas, então ter Dex virou um prêmio e não algo do qual ela realmente ama. Darcy está perto do casamento, mas se sente um ser superior e em muitos momentos chega a humilhar Rachel e até deixá-la bem desconfortável. 

Dexter é aquele homem que não tem muita voz ativa e isso dá muita raiva. Ele vai empurrando a situação com a barriga, achando que poderá passar pela situação despercebido, e isso minha gente, me deu bastante preguiça.

Ainda assim, eu gostei bastante do livro. Rachel é sincera com seus sentimentos e ama de fato a sua amiga, ela conheceu o Dex primeiro e se tivesse notado os sinais, não teria desperdiçado 7 anos até se dar conta que os dois se gostavam. Achei Darcy uma chata, mas não sei se a autora quis fazer com que ela parecesse mais chata, afinal estamos lendo sobre a visão de Rach. Agora, o pior para mim foi Dex, que ficou em cima do muro por um longo período, pelo amor de Deus, que homem sem noção.

Foto retirada de Arquivo Pessoal
Os personagens secundários são um ponto de equilíbrio na história. Eu amo como o Ethan orienta e apoia Rachel. Ele consegue ser fofo e puxar a orelha tão lindamente, que eu até torceria para Rachel ficar com ele rs. Outra pessoa muito importante para Rachel é Hillary. Aquela amiga do trabalho que puxa a orelha e não tem medo de falar o que realmente pensa. Eu amei esses dois.

Eu já havia lido um outro livro da Emily. Acho a escrita dela bem fluída e muito tranquila. É um livro para reflexão, a leitura te traz muitos questionamentos e muitos pontos de tensão e isso que o faz tão, tão interessante. Eu gostei bastante, me surpreendi com esse fato de não saber qual lado escolher e essa é a parte mais interessante da leitura. 

Então, se você está na quarentena e quer aprofundar as leituras. Vem conferir o que acontece com a Rachel e depois vem me falar o que achou do final de Darcy. Vou adorar saber a sua opinião. 

Título: O noivo da minha melhor amiga
AutorEmily Giffin
Editora: Agir
Páginas: 352
Sinopse: O Noivo da Minha Melhor Amiga conta a história de Rachel, uma jovem advogada de Manhattan. A moça, sempre vista por si mesma e por seus amigos como a "certinha" e bem-comportada, muda radicalmente no seu aniversário de trinta anos, após a festa oferecida por sua melhor amiga, Darcy. Meio deprimida por chegar aos trinta sem o marido e os filhos que imaginava ter a essa altura da vida, Rachel se excede na comemoração e termina a noite na cama com Dex, seu grande amigo de faculdade e noivo da sua melhor amiga. Até a noite em que ficou com Dex, Rachel era o modelo de filha e amiga perfeita, embora se visse como um fracasso. Nunca transgrediu as leis, nem mesmo as de horário de trabalho, ao contrário da egoísta, narcisista mas irresistível Darcy, em torno da qual Rachel e, posteriormente, Dex sempre orbitaram. Enquanto a boa moça e tímida Rachel teve alguns poucos namorados e conseguiu um emprego estável porém sem graça num escritório de advocacia, a linda e popular Darcy namorou todos os bonitões do colégio, construiu uma glamourosa carreira de Relações Públicas e sempre conseguiu tudo o que quis, inclusive manipular e obrigar Rachel a fazer o que desejava. E agora, após uma noite com o noivo da melhor amiga, Rachel acorda determinada a esquecer para sempre o fatídico encontro, mas acaba descobrindo que sempre amou Dex. E, apesar da amizade a Darcy, começa a perceber que ela não é exatamente o que se espera de uma melhor amiga. À medida que a data do casamento se aproxima, Rachel se desespera com a urgência da decisão que precisa tomar e acaba passando por uma profunda reavaliação de sua vida, para concluir que "certo" e "errado" são conceitos muito relativos. Narrado em primeira pessoa por Rachel, o livro ganha a simpatia do leitor pela empatia da protagonista, que expõe suas dúvidas e sentimentos de forma muito honesta e humana. E o final reserva grandes surpresas.

8 de março de 2020

{Resenha} Lady Killer - #2

Hoje a resenha é sobre a HQ Lady Killer de Joelle Jones e Jamie S. Rich. 

Foto retirada de arquivo pessoal
E não poderia faltar esse volume 2, para sabermos o que aconteceria a nossa dona de casa exemplar. 
Vocês se lembram de como terminou o volume 1? A sua dupla identidade acaba sendo descoberta pela sua sogra e nos deixa curiosos em como Josie irá lidar. 
Assim, a família acaba indo morar na Flórida e Josie abandona a agência pela qual trabalhava, começando assim sua trajetória nesse mundo empreendedor sozinha. Ela passa a vender tupperwares de porta em porta como um meio de se aproximar de suas "presas". 

Essa segunda história nos deixa mais hipnotizada pelo que irá acontecer, afinal, no primeiro livro a Josie se deu bem e isso é um contraponto pensando que ela é uma assassina profissional e o que faz também é por prazer. 
Foto retirada de arquivo pessoal
Apesar de ser dedicada a família, Josie busca manter a dupla personalidade, só que isso poderá afetar sua relação com seu marido e o meio em que vive. Além disso, um conhecido de longa data de Josie aparecerá e colocará em xeque a relação com a sua família e sua dupla personalidade.  

O machismo estrutural também é bem visível nas páginas do quadrinho, e todos os homens que passam pela história de alguma forma fazem comentários pouco elogiosos a Josie, ou querem se aproveitar dela de alguma forma. 
Foto retirada de arquivo pessoal
Nessa HQ a Josie está um pouco mais consciente das suas escolhas e ela acaba metendo muitas vezes os pés pelas mãos. Apesar disso, ela não se abate em meio as dificuldades e tenta driblar os problemas sem envolver a família, porém muita coisa acontece e Josie acaba se encrencando. Ainda assim, Joelle nos desvenda o que aconteceu com a sogra de Josie, o que nos deixa com o queixo caído. 

Josi é aquela mulher que não se abate em meio as dificuldades, e sim, apesar de ser uma assassina faz de tudo para proteger a sua "profissão" e a família que tanto zela e cuida. Eu gostei bastante do desfecho dessa HQ, e inclusive superou e muito minhas expectativas, que já estavam altas. E essa graphic está aí para provar que mulheres podem sim ser tão impiedosas e cruéis quanto os homens. E que não devemos nunca subestimá-las (entenderam homens)!

A edição da Darkside Books está a coisa mais linda e as imagens em cores vivas realçam ainda mais a beleza dessa graphic. Eu só tenho elogios. Então, vem ler também a história da Josie e se encantar com essa edição. 

*Livro cedido em parceira com a editora

Onde Comprar: Amazon e Loja Oficial DarkSide Books
Título: Lady Killer
AutorJoelle Jones e Jamie S. Rich.
Editora: DarkSide Books
Páginas: 144
Sinopse: Josie Schuller é uma esposa dedicada, uma mãe amorosa e... uma assassina de aluguel. Capaz de equilibrar os deveres de uma típica dona de casa norte-americana dos anos 1960 com vários assassinatos a sangue-frio, ninguém desconfia que ela leva uma vida dupla.Após as perseguições e imprevistos do primeiro volume, Josie decide se mudar com a família para Cocoa Beach, na Flórida, onde as coisas continuam mais ou menos como era antes: Josie vende Tupperware, cuida da família e vai colecionando alguns cadáveres pelo caminho.
A única diferença é que, agora, ela está trabalhando sozinha. Fazer vítimas continua fácil, o problema é cuidar da bagunça depois. Então, quando uma figura do seu passado aparece com uma proposta de parceria, Josie não consegue recusar. Mas há muito mais em jogo do que uma cena do crime sangrenta para limpar…
Joëlle Jones continua sua criação matadora que ganhou o coração dos leitores da DarkSide® Books. No segundo e último volume de Lady Killer: Graphic Novel Vol. 2, Jones exibe seu talento e deixa os leitores boquiabertos: seu traço está ainda mais violento, impressionante e expressivo, e a história, cheia de nuances e momentos inesquecíveis.
Neste volume, começamos a descortinar o passado de Josie e a entender suas motivações. A relação com sua sogra, que já não era das melhores, ganha novos atritos. Revelações chocantes vêm à tona, e, enquanto isso, o marido de Josie continua sem desconfiar de nada…
Sangrento, medonho e brutal, o quadrinho é perfeito para quem devorou o livro da linha Crime Scene, Lady Killers: Assassinas em Série, uma compilação macabra das mulheres mais letais da história. A autora Tori Telfer, aliás, assina uma introdução exclusiva à edição brasileira da graphic novel. Se Josie fosse uma pessoa real, ela com certeza teria sido estudada por Telfer.
Bem-humorado e eletrizante, Lady Killer: Graphic Novel Vol. 2 é um daqueles quadrinhos impossíveis de largar.



5 de março de 2020

{Filme versus Livro} Por lugares Incríveis

Hoje eu vou falar um pouco sobre o novo lançamento da Netflix - "Por lugares incríveis".


Esse filme é baseado no livro de mesmo nome e é estrelado por ninguém mais, ninguém menos que Elle Fanning como a nossa Violet e Justice Smith como Teodoro Finch. 

Eu confesso que li esse livro faz mais de 3 anos e por isso tive que ler a minha resenha para lembrar um pouco sobre a história. 

A escrita da Jennifer Niven é fenomenal e te faz viajar sobre cada capítulo. O que cada um dos adolescentes está passando, as angústias, os medos, o elo de amizade que é formado e seus sentimentos. 

O filme começa com o drama vivido por Violet, por ter perdido a irmã em um acidente de carro e o Finch a ajudando, tentando fazer com que ela não cometa o suicídio. O personagem da Violet é descrito e feito muito bem pela Elle, mas achei que faltou muito no personagem de Finch. Para quem lê o livro, sabe que ele tem um transtorno de bipolaridade, que o faz ora estar muito bem e ora estar em profunda depressão. 

O tema é delicado e o livro não é leve. Ao final da leitura, ficamos pensativos e com um misto de sentimentos. É doloroso e ao mesmo tempo crítico. Nos deparamos com o sofrimento dos dois adolescentes, cada um a sua maneira, e sinto que isso faltou no filme. 

O filme tem uma bela fotografia, porém achei que faltou muita coisa, principalmente de como é a família de Finch e a forma como ele se sente, que você acaba prestando mais atenção ao final do filme. Ainda assim, o Finch é um personagem muito complexo e essa complexidade deixou a desejar na telinha. 

Eu gostei da escolha dos atores, eles tem uma química ótima e o romance em si deixa o filme um pouco mais bonito, porém eu acho que faltou um aprofundamento desse tema que é tão complexo. A depressão, o suicídio e até mesmo outros transtornos que acomete adolescentes no mundo inteiro tem que ser falado e tem que ser discutido por todos. É sim um tema delicado, mas não pode ser deixado como um tema secundário e o que vi no filme foi esse tema ser retratado como coadjuvante. 

Entretanto, no geral, é um filme para ser visto e discutido sim, mas vale a pena ler ao livro para entender um pouco as nuances e o que não foi falado. 

Se você quer entender um pouco, leia a minha Resenha e venha depois conversar e dizer o que achou do livro e do filme. 


/

© Copyright 2017 - Embarcando na Leitura. Todos os direitos reservados